Blogroll

Blogger news

Blogger templates

Blogger templates

Tecnologia do Blogger.

Nav2 (Do not Edit Here)

Nav1 (Do not Edit Here)

Slider(Do Not Edit Here!)

LIMBO - É bom na morte, é bom na física, é bom em tudo

Autor: Brunno Quaresma

Vou apresentar mais uma vez por aqui um jogo indie. Depois de apresentar o Contrast, vou apresentar o jogo LIMBO.
Jogá-lo e finalizá-lo foi uma ótima experiência para mim.



Esse jogo de gênero quebra-cabeça em plataforma eu super recomendo. Acredito que ele consegue agradar um público ainda maior que o de Contrast. E se precisasse argumentar isso de forma resumida eu diria: Por causa de sua simplicidade, objetividade e entretenimento.

LIMBO é o jogo de um garotinho que passa por grandes perigos em uma floresta escura e sinistra, atravessando diversas armadilhas e desafios em busca de sua irmã. LIMBO traz alguns pontos característicos que não dá pra falar dele e ignorar esses pontos. E são eles: Mortes Marcantes; Preto e Branco; Física Realista e Bons Puzzles.

Mortes Marcantes

O jogo foi feito em um estilo divertido que foi chamado de trial-and-death ("experiência e morte") pelos seus criadores da Playdead.
Esse estilo consiste em basicamente morrer algumas (ou muitas) vezes antes de conseguir entender a lógica do puzzle (quebra-cabeça).
No início do jogo as mortes são ainda mais constantes, levando em conta que todas as armadilhas são novidades, mas é bem comum morrer bastante até o final do jogo. O bom é que as "vidas" são ilimitadas, então dá pra morrer a vontade.




Mas o jeito de morrer do personagem, as maneiras que ele morre, são realmente um ponto memorável hahaha são até que "chocantes" para um jogo que inicialmente você julga "ingênuo" haha.
É divertido pedir para que uma pessoa que desconhece Limbo jogue-o e ver a sua reação quando acontece a primeira morte hahaha.

Corpo esmagado, peito furado, cabeça pisoteada, perna partida, cabeça voando... hahaha.
Particularmente eu ria muito com minha mãe jogando ou assistindo eu jogar, pois ela sempre ficava chocada ou com peninha do "pobrezinho do menininho" hahaha.



Preto e Branco


A escuridão é um ponto muito comum em Limbo e essa escuridão na floresta sinistra onde se passa o jogo, os elementos dessa floresta, a névoa acinzentada que encobre o ambiente e o som das coisas criam todo o clima e atmosfera.
O próprio personagem é visto como uma sombra, o que deixa as coisas ainda mais sinistras, apenas seus olhos brancos se destacam nele.
O jogo foi elogiado por esse aspecto sombrio, sendo descrito como um trabalho comparável ao film noir e ao expressionismo alemão. O jogo foi classificado como um exemplo de "video game como arte".




Física Realista e Bons Puzzles


Outro ponto positivo são os bons puzzles (quebras-cabeça) do jogo, pois são os desafios que nós como jogadores temos que enfrentar usando o raciocínio lógico, análise física e, claro, morrendo e morrendo haha.
E esses bons puzzles foram feitos com base na física, ou seja, na realidade, como por exemplo na força gravitacional, campos magnéticos, força mecânica.

Portanto, foi feito um excelente trabalho de física no jogo e o personagem se move de maneira bem realista, embora por estarmos acostumados a "super personagens" nos jogos, às vezes é frustrante movimentar o personagem de Limbo e esperar por "aquela corridinha a mais", "aquele alcance de pulo a mais" ou algo do gênero que fariam toda a diferença para resolver aquele desafio, mas é justamente essa a dificuldade do jogo e existem muitos desafios que a resolução precisa ser "milimétrica", ou seja, executada de maneira perfeita em questão de sincronismo. Mas não atrapalha a experiência, pois, pelo menos para mim, deu ainda mais vontade de tentar e tentar novamente até acertar.


É isso! Espero que tenham curtido!
Limbo quando foi lançado tinha exclusividade no Xbox 360 (Xbox Live Arcade), mas hoje já é possível também encontra-lo na Playstation Network, Microsoft Windows via Steam, Apple Store e Android (Google Play).



Compartilhar no Google+
    Deixe seu Comentário
    Comentários Blogger

0 comentarios:

Postar um comentário