Blogroll

Blogger news

Blogger templates

Blogger templates

Tecnologia do Blogger.

Nav2 (Do not Edit Here)

Nav1 (Do not Edit Here)

Slider(Do Not Edit Here!)

Saudade Infinita Review #03 - Crash Bandicoot

Autor: Ricardo Oliveira

Olá galerinha do mal maligno, tudo de bem com vocês? Espero que sim =)
Bem, semana passada revivi uma série bem gostosinha (e ao mesmo tempo trabalhosa) de fazer, o Saudade Infinita, no qual faço uma análise bacana de algum game antigo, aliás, vamos ao game de hoje

Crash Bandicoot, foi o último game que joguei da série (joguei primeiro o segundo) que foi desenvolvida pela famosa Naughty Dog e publicada pela Sony em 1996, game do gênero plataforma e de um jogador no qual não lembro muita coisa, mas pelo que ainda resta de minha memória, é um game bem difícil pelos padrões da série, então se prepare, pois tem muita jogabilidade nessa série hehehe

História

Neo Cortex e Nitrus Brio, dois cientistas do mal (no sentido negativo da coisa), planejam transformar animais em mutantes do mal, para assim dominar o mundo (isso me lembrou na hora o Dr. Eggman). Durante o processo, Nitrus avisa a Neo que a máquina, que possui o nome de "Vórtice de Cortex", ainda não funcionava com sua capacidade total, mesmo com o aviso, Neo ainda testa em dois animais, claro que o experimento falha, os dois animais viram mutantes, mas não adquirem maldade, e um deles é Crash, que foge do castelo deixando o segundo animal para trás, uma fêmea chamada Tawna. Agora Crash tem de voltar ao castelo, derrotar Neo e Nitrus, além de salvar Tawna


Jogabilidade

Como é um game de plataforma, os comandos são bem fáceis, você pode pular em cima ou usar o famoso ataque giratório na maioria dos inimigos para derrotá-los, dependendo se há espinhos na parte de cima ou no lado dos inimigos. Durante a fase, você achará diversas caixas para destruir, podendo encontrar frutas wumpa, vidas (as que tem o símbolo do rosto de Crash), outras que servem como trampolins (com um seta para cima), há ainda com o símbolo do Aku Aku, um feiticeiro em forma de máscara de madeira que te passa até duas energias (perdendo ao tocar em inimigos), sendo a terceira te dando invencibilidade temporária, além de caixas brancas que são indestrutíveis, caixas brancas com exclamação que ativam outras caixas e das TNTs, que podem ser destruídas, mas que explodem em 3 segundos, tirando energia do jogador

Claro, sobre as fases, são ao todo 32, sendo 6 delas chefes e 2 secretas, nas fases normais, destruindo todas as caixas sem morrer, você ganha um diamante, fazendo isso em todas as fases normais, você habilita o final secreto em uma fase, ainda nessas fases, você pode juntar 3 pergaminhos que te jogam em um bônus, já os chefes não possuem dificuldade elevada, o que não quer dizer que o game seja fácil, as fases normalmente possuem certa dificuldade (as mais difíceis de toda a série), há ainda outros dois tipos de fase, as que eu chamo atualmente de "corre negada", no qual você foge de alguma coisa (geralmente uma pedra gigante), e outra na qual você monta em um animal louco que só sabe correr



Gráfico/Som

O que você mais vai ver no começo é o laranja de Crash e o verde das fases iniciais (fase de ambiente "asteca"), bem colorido e ambientado, posso dizer que não é o melhor gráfico que já vi no Playstation 1, mas cumpre a proposta do game, o design dos inimigos são bons, há uma boa variedade deles de acordo com a fase jogada, já o design dos itens e dos personagens secundários eu gostei bastante, principalmente se tratando de um game plataforma de uma desenvolvedora iniciante na época
A música das fases são boas, bem gostosas de se ouvir por causa das batidas, mas podem enjoar, já que o jogo praticamente inteiro ocorre dentro de ilhas, então a ambientação é bem parecida o tempo todo da jogatina (o estilo da música só muda nas fases finais), o som no geral também não chega a irritar, é até agradável (claro, se você jogar por pouco tempo)

Fazendo uma comparação com outros games lançados na época, com outros consoles, além de ser o primeiro game da Naughty Dog para o Playstation 1, dou 4 infinitos, poderiam ter facilitado um pouco o game, principalmente em fases onde há abismos, onde é muito difícil você saber onde é o chão, pois certas fases são bem escuras

Nota: ∞ ∞ ∞ ∞

Posso dizer que, sem dúvida, foi um dos games mais famosos do Playstation 1 por ser bastante colorido, ter um som satisfatório e proporcionar um desafio (mesmo que excessivo) para o jogador, lembro até hoje das malditas fases escuras que me faziam perder bastante vidas, claro, nessa série, você ganha vida a todo momento, o que acaba pesando como um ponto positivo

Bem, esse foi o Saudade Infinita de hoje, comentem o que acharam do jogo, já jogaram? Também acham difícil?
Bem, é isso por enquanto, até a próxima =)

Autor: Ricardo Oliveira
Compartilhar no Google+
    Comentários Blogger
    Comentários Facebook

2 comentarios:

  1. lembranças ótimas e saudáveis da época que ficou marcada com esse jogo. Não sei por que mas me remete a lembrar do inverno e do céu nublado.

    ResponderExcluir
  2. Sim, cada um tem sua lembrança nostálgica de algum jogo, você tem essa sensação muito provavelmente por causa das fases de gelo do Crash Bandicoot 2 (o que eu mais jogava XD)

    ResponderExcluir